Essa tal inteligência emocional – Os impactos na vida pessoal e profissional

Uma abordagem introdutória a identificação e aplicação da observação da inteligência emocional no âmbito pessoal, profissional e empresarial.

Ao pensar em como ter bons resultados na vida profissional e pessoal, comum vir a mente a educação formal, cognitiva com ferramentas, conhecimento técnico, que são base e  necessários para muitas atividades e fundamental nas ciências, engenharias e cuidados pessoais, saúde, entender e aprender o que já foi descoberto e que e útil para a realização de uma tarefa no viés ferramental é muito importante, o grande erro é achar que investir apenas em conhecimento técnico e cientifico irá garantir resultados esperados e o chamado “sucesso “ profissional, foco apenas em estudo de desenvolvimento das hard skills.

Empresas e negócios são feitos de pessoas para pessoas, parece obvio, mas precisa ser reforçado e lembrado, e sendo assim outras as habilidades são necessárias para potencializar os resultados e se fazer cumprir seu objetivo social.

Em muitas ocasiões, senão na maioria, esta consciência e entendimento se perdem, devido a competitividade exacerbada, necessidade de resultados a qualquer custo, e uso de indivíduos como peças de uma engrenagem pelas organizações, o que traz ao ambiente corporativo uma associação com racionalidade apenas.

No entanto os resultados mais satisfatórios para empresas e pessoas surgem quando há uma igual preocupação com o desenvolvimento das habilidades ligadas a comportamento e relacionamento humano, as soft skills, onde estão incluídas as habilidades de relacionamento interpessoal e inteligência emocional.

E o que seria mesmo inteligência emocional?

No clássico livro “Inteligência Emocional“de Daniel Goleman há definição de que seria:

“Conseguir identificar suas emoções e efeitos delas em seus pensamentos, e conseguir gerencia-los para tirar o melhor destas emoções nas relações consigo e com o próximo”.

Usar os melhores recursos das emoções e sentimentos, é uma das frentes da inteligência emocional, outra frente é conseguir também identificar emoções e sentimentos principais comunicados por outros, e ainda assim conseguir gerenciar as reações e sentimentos seus em relação ao outro e tirar desta relação o melhor dos dois.

Esta habilidade de gerenciar suas emoções a ponto de usar o melhor de cada emoção em si e no outro seria a base da inteligência emocional.

Para tirar o melhor do outro, e desenvolver a inteligência social, faz-se necessário uso de uma “soft skill” muito valiosa que é a empatia.

E quais seriam os passos para desenvolver inteligência emocional?

  • Autoconhecimento é a chave para iniciar a alfabetização emocional.
  • Investir em si mesmo – Considere maneiras de aprender, adaptar e crescer com os recursos aos quais você tem acesso.
  • Dedique tempo todas as semanas ao seu próprio autodesenvolvimento. Como você pode fazer de você e seu futuro uma prioridade?
  • Não viva de condição viva de decisão, decida aprender e ajustar sua vida, os resultados são excepcionais sempre.
  • Gerencie as situações iniciando em 3 tempos: Reflita sobre acontecimento, pensa nas ações e apenas aja após refletir e pensar sobre fatos, ações e resultados, mas seja breve nestes passos, evitando apenas agir sem pensar.

Inteligência emocional e inteligência social.

Para tirar melhor de si e dos outros em todas as situações após conhecer a si mesmo, e conseguir gerenciar suas emoções e ações, conseguir identificar no próximo as emoções e conseguir gerenciar as interações, necessita de um componente referente a empatia e desenvolvimento de inteligência emocional.

Pilares da inteligência emocional:

  1. Perceber emoções próprias (baseada em sentimentos de Raiva, Medo, Tristeza e Alegria)
  2. Saber lidar com suas emoções e perceber a emoção dos outros.
  3. Saber gerenciar estes sentimentos emoções usando os lados positivos delas e canalizando.
  4. Trabalhar a automotivação.  

“Pesquisas apontam que 80% brasileiros não tem inteligência emocional.”

Não à toa o Brasil esta entre os países mais ansiosos (segundo OMS o pais mais ansioso do mundo), entre os países menos produtivos, onde há recordes de empresas e empreendedores falindo ano a ano, e também o primeiro no mundo em índice de profissionais insatisfeitos com seus trabalhos e com os resultados em família.

Quer ajudar a reverter estes números? Comece por você, autoconhecimento e autogestão com desenvolvimento de inteligência emocional.

Conheça nossos programas de performance pessoal e profissional e ajude a si e a uma nação a reverter o jogo.

Essa tal inteligência emocional – Os impactos na vida pessoal e profissional

Nenhum Comentário

Gostou? Deixe um comentário.